sexta-feira, 9 de maio de 2008

OS INSTRUMENTOS


Desapareceram os símbolos das cidades.
Os instrumentos dos símbolos ainda não desapareceram.

É possível que,de repente,de leste a oeste,de oriente a ocidente,
Nas paredes,no ar,no solo,nos canteiros,
Nos velhos troncos de árvores,
Nos jogos de água viva,

Nas mudas bibliotecas,em livros esquecidos,
Nos palcos dos teatros,nas eléctricas luzes,
Nas orquestras sem pátria dos músicos planetas,

Se revelem sinais,locais de Ásias secretas.

Mas da cegueira à paz,vão ângulos de som.
Os vértices de amor,oscilam ténues fumos.

Os símbolos são homens,esventrados em explosões,
São Osíris dispersos.Deuses em negros versos.
Dos olhos sem retinas - que já todos desvelam,
Dos gestos essenciais - pelos quais todos choram,

Se compõe esta frente em marcha silenciosa,
De esotéricas vidas e histórias demolidas.

De superfícies brancas em sinfonias brancas,
De surdos e de loucos,orquestradas nas ondas.

Bronzes de águas abertas,nas cascatas libertas,
Dos países do Ar para os dias de Sombra.

Por visitar a Lua recebe-se a Loucura.
Por visitar a Luz,recebe-se a cegueira.

É preciso dormir como quem apodrece
E sossegar no pó,sem pena de ser só.

De Natércia Freire
Pintura de Rubens (O rapto da Europa)

3 comentários:

sp disse...

Passei por aqui! Obrigado pela poesia.

Um abraço...

Sei que existes disse...

Bonito poema e pintura.
Beijitos

Anônimo disse...

Vigorosa e premonitória Natércia.
Gostei. Deveras.

mc