terça-feira, 19 de agosto de 2008

MEU GALOPE É EM FRENTE



Direis que não é poesia
e a mim que importa?

Eu canto porque a voz nasce e tem de libertar-se.
E grito porque respondo
às lanças que me espectam
e aos braços que me chamam.
E porque,dia e noite,minhas mãos e meus olhos,
por estranhas telegrafias,
dos cantos mais ignotos
e das linhas perdidas
e dos sempre esquecidos
e dos lagos remotos,
e dos montes,
recebem longas mensagens e comunicações:
para que grite e cante.

O meu grito e meu canto é a voz de milhões.

Por isso que me importa?
Eu canto e cantarei o que tiver a cantar
e grito e gritarei o que tiver a gritar
e falo e falarei o que tiver a falar.

Direis que não é poesia.
E a mim que me importa
se eu estou aqui apenas para escancarar a porta
e derrubar os muros?
E a mim que importa
se vós sois afinal o que hei-de ultrapassar
e esmigalhar
em nome
de todos os futuros?

Eu sigo e seguirei
como um doido ou um anjo,
obstinado e heróico a caminho de nós
em palavras e acções
por todos os vendavais
e temporais
e multidões
nos campos mais ignotos
e nas linhas perdidas
e nos campos esquecidos
e nos lagos remotos
e nos montes
- por terra,mar e ar.

Direis que não é poesia
E a mim que importa!
Convosco ou não,meu galope é em frente.
Pertenço a outra raça,a outro mundo,a outra gente.

É andar,é andar!

De Mário Dionísio (1916 - 1993)

4 comentários:

Anônimo disse...

Mário Dionísio é um dos poucos exemplos de 3 em 1: pintor, poeta e escritor.

mc

Anônimo disse...

De acordo.
A fotografia,do cinema neo-realista italiano,enquadra-se no poema:
"Direis que não é poesia..."

lilian almeida disse...

ADOREI SEU BLOG T+ VOU VOLTAR SEMPRE T++ BJO :)

vero disse...

Olá meu amigo
passei para ler mais um bonito que poema. Gosto de vir aqui, acabo sempre por descobrir algo novo que agrada ler :)
Obrigada

Beijinhos