segunda-feira, 9 de março de 2009

CORPO


É quando a chuva cai,é quando
olhado devagar que brilha o corpo.
Para dizê-lo a boca é muito pouco,
era preciso que também as mãos
vissem esse brilho e o dissessem
a quem passa na rua,e cantassem.
Todas as palavras falam desse lume,
sabem à pele dessa luz molhada.
De Eugénio de Andrade
Pintura de Bonfanti Maurizio(2007)

3 comentários:

mc disse...

Bravo!

mc

vero disse...

Meu amigo,
peço desculpa pela minha ausência,há alturas em que as palavras se "trancam" dentro do peito e os dedos ficam imóveis para escrever... estou num desses momentos... mas irei voltar em breve, muito breve.
Devo dizer que estou a passar uma fase de grande felicidade em que o meu coração transborda de alegria e felicidade :)

Beijinhos

aminhapele disse...

Gostei das suas notícias,Vero.
Viva a felicidade,sempre que lhe bata à porta.
Um abraço.