terça-feira, 20 de novembro de 2007

SONÂMBULO -- XIV


(Gritem comigo contra este sepulcro de vivos!)


Dói-me a boca de silêncio

e vou gritar!

- nesta noite de lua mole

a dobrar-se nos telhados

inertes de bafio...


Dói-me a boca de silêncio

e vou gritar!


- Atirar para a ferrugem do vento

da noite desmantelada

um desafio de acordar o mundo

nas janelas de súbito acesas

- com milhões de vozes

esvaídas num clamor para além do sufocar das pedras!


Dói-me a boca de silêncio

e vou gritar!

Gritar,ouviram?


Gritar esta alegria de não sentir ainda terra na boca!

Gritar esta Labareda,enfim fora dos olhos!



De JOSÉ GOMES FERREIRA,in POESIA - II

desconheço o autor da imagem que encontrei em rainbowsky,blogs.sapo.pt

Um comentário:

moitacarrasco disse...

A imagem é, defacto, muito boa.
E o belo poema de J Gomes Ferreira (que envolve raiva, ansiedade, revolta...) é uma bela moldura para essa imagem